facebook youtube

Notícias

Patricio Farías em 25 VEZES DUCHAMP | A FONTE 100 ANOS

A mostra, curada por José Francisco Alves, que teve abertura no último dia no Museu Arte Contemporânea RS, conta com obras de 24 artistas, dentre eles o chileno, radicalizado no Brasil, Patricio Farías.
Farías participa da exposição com o vídeo Apolinère Enameled, de 2006, obra que integra a coleção Artistas Contemporâneos, do Acervo da FVCB.

p

25 vezes Duchamp | A Fonte 100 anos segue em cartaz no MACRS até 03 de setembro. A entrada é franca.

Vera Chaves Barcellos em exposição que celebra Tropicália

Tropicália 50 anos: Mais Do Que Araras traz a BH obras de artistas contemporâneos de Hélio Oiticica, criadas entre 1960 e 1980. A exposição assinada pelo curador carioca Raphael Fonseca acontece gratuitamente no Sesc Palladium, entre os dias 8 de agosto e 1º de outubro, e conta com programação de atividades paralelas.

“O mito da tropicalidade é muito mais do que araras e bananeiras: é a consciência de um não condicionamento às estruturas estabelecidas, portanto, altamente revolucionário na sua totalidade”. A frase é do artista carioca Hélio Oiticica, autor da instalação Tropicália, que completa 50 anos em 2017. Icônica a ponto de nomear o movimento artístico que explodiu com Caetano, Gil e companhia, a obra expandiu o conceito de arte e participação, deslocando o espectador de um lugar de fruição apenas contemplativo. Muitos artistas brasileiros também se enveredaram pelos mesmos caminhos de Oiticica e Lygia Clark, sem conseguirem, porém, o devido reconhecimento. Foi pensando nisso que o premiado curador Raphael Fonseca idealizou a exposição inédita “Mais Do Que Araras”, que acontece em Belo Horizonte, no Sesc Palladium, entre 8 de agosto e 1º de outubro.

Com entrada franca, a mostra ocupa a Galeria GTO com obras de 14 artistas de diferentes estados brasileiros, produzidas entre as décadas de 1960 e 1980 – ou seja, contemporâneos de Oiticica e Clark que também atravessaram, por meio da arte e da contestação política, os duros anos de chumbo. Ao todo, Mais Do Que Araras conta com 31 trabalhos que se amarram pelo eixo curatorial da arte participativa, de nomes como Anna Bella Geiger (RJ), Carlos Vergara (RJ), Edinízio Ribeiro Primo (BA), Neide Sá (RJ), Torquato Neto (AL) e Vera Chaves Barcellos (RS). A jovem artista Daniela Seixas completa a lista, mostrando como o peso histórico da Tropicália segue inspirando a criação contemporânea.

Vencedor do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça, em 2015, o carioca Raphael Fonseca utilizou três linhas temáticas para a curadoria: a crítica em torno do estereótipo da tropicalidade e da identidade brasileira; a atenção dada ao corpo ativo para além da noção de espectador; e o interesse em obras que se encontram no limite entre a poesia e as artes visuais. Um dos objetivos da mostra, segundo o curador, é questionar a hegemonia da região Sudeste na história da arte no Brasil, por isso a escolha de artistas de vários estados. “A institucionalização desses agentes é assimétrica e demonstra a precariedade e a necessidade de mais pesquisas em torno dessa geração de artistas. Enquanto alguns têm uma produção sólida e reconhecida, outros ainda são vistos como fenômenos de atuação local e urgem por serem inseridos em narrativas mais abrangentes”, defende Fonseca.

Assim como Oiticica, os artistas selecionados trabalham com a ideia da interação do público com as obras de arte. O convite, então, é para que os visitantes criem conexões com as criações expostas na mostra. “Esperamos que as pessoas percorram o espaço da Galeria GTO e criem suas conexões formais, poéticas e temáticas entre imagens e diferentes anseios existenciais por parte desses artistas atuantes no Brasil, que nos ensinam que o fazer artístico durante esse período histórico era muito maior do que qualquer tropicalidade panfletária colorida contida nas figuras das araras”, defende o curador.

Ao promover e sediar a exposição, o Sesc em Minas reforça mais uma vez o compromisso de promover as manifestações artístico-culturais nacionais e de oferecer uma programação de qualidade, articulando ações de reflexão e formação a partir das mais diversificadas experiências estéticas e de um amplo trabalho de mediação cultural para públicos diversos. “A Galeria de Arte GTO, do Sesc Palladium, tem como proposta ser um espaço democrático que recebe periodicamente mostras de arte de artistas consagrados e de novos talentos, valorizando a produção de artes visuais mineira e nacional. A exposição ‘Mais Do Que Araras’ reafirma a proposta curatorial do espaço, apresentando ao público artistas ligados à Tropicália, cujas produções influenciam a arte brasileira até os dias de hoje”, afirma a gerente de cultura do Sesc, Eliane Parreiras.

Programação paralela

Compondo a programação paralela da exposição Mais Do Que Araras serão oferecidas diversas atividades gratuitas nos espaços do Sesc Palladium, como o bate-papo com o curador Raphael Fonseca e com os artistas Anna Bella Geiger e José Ronaldo Lima (MG), que acontece no dia 11 de agosto, às 19h30. Professora da escola de arte Parque Lage, a carioca, hoje aos 84 anos, é uma das maiores expressões vivas da arte contemporânea dentro do contexto da Tropicália. Ela também participa uma leitura de portfólio, no dia 12 agosto, quando conversará com artistas previamente selecionados sobre seus trabalhos, propondo reflexões sobre as artes visuais, através de sua ótica e experiência.

Já José Ronaldo Lima foi uma acertada descoberta das pesquisas de Fonseca sobre expoentes tropicalistas em BH. Com trabalhos de 1969 expostos no Museu de Arte da Pampulha (MAP), o mineiro embarcou na arte participativa criando obras que brincam com o olfato e o tato. Segundo o artista, alguns trabalhos se perderam no MAP e estão sendo recriados para a exposição. No bate-papo, Lima e Geiger falarão sobre seus processos criativos e vivências artísticas.

No dia 19 de agosto, haverá um encontro com professores guiado pelos artistas/educadores Alison Rosa Loureiro e Fabíola Rodrigues. O objetivo é acolher profissionais que estejam interessados em um dia de imersão nas obras de Mais Do Que Araras, instaurando um ambiente de escuta, toque e olhar para o lugar da criação na prática educativa.

Para fechar a programação, a artista Daniela Seixas ministra o workshop Quer Que Eu Desenhe? O Que É Preciso Dizer Várias Vezes, em que propõe um diálogo com o público onde desenho, escrita e interferência da palavra serão pensados juntos a um duplicador analógico (mimeógrafo), dando forma a pequenas publicações realizadas pelo grupo.

‘Me Molde’

Além das atividades paralelas da exposição, o Sesc Palladium recebe a instalação Me Molde, do paraibano Martinho Patrício. Também focada no conceito de arte e participação, a obra fica exposta no foyer, pelo Projeto Desvios, entre os dias 8 de agosto e 17 de setembro. Trata-se de um conjunto de mesas desenhadas pelo artista onde o público pode participar ativamente a partir de recortes coloridos de tecido. Cada pedaço contém uma série de botões de pressão e o público pode tanto desenhar a partir de cada tecido, quanto também uni-los e fazer uma peça maior, que pode inclusive ser vestida.

Artistas da exposição Mais Do Que Araras

Anna Bella Geiger (Rio de Janeiro – RJ)
Carlos Vergara (Rio de Janeiro – RJ)
Edinízio Ribeiro Primo (Vitória da Conquista – BA)
Falves Silva (Natal – RN)
Jomard Muniz de Britto (Recife – PE)
José Ronaldo Lima (Belo Horizonte –MG)
Letícia Parente (Rio de Janeiro – RJ)
Mario Ishikawa (São Paulo – SP)
Neide Sá (Rio de Janeiro – RJ)
Raymundo Colares (Grão Mogol – MG)
Regina Silveira (São Paulo – SP)
Regina Vater (Rio de Janeiro – RJ)
Torquato Neto (Teresina – PI)
Vera Chaves Barcellos (Porto Alegre – RS)

 

 Exposição Mais Do Que Araras
Abertura: 8 de agosto, às 19h
Visitação: de 9 de agosto a 1 de outubro. Terça a domingo, das 9h às 21h
Galeria GTO – Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro)
Entrada franca

Conversa com artistas e curador
Anna Bella Geiger, José Ronaldo Lima e Raphael Fonseca
Dia 11 agosto, às 19h30 (retirada de ingressos 30 minutos antes na bilheteria do teatro)
Teatro de Bolso Júlio Mackenzie – Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro,1.046, Centro)

Leitura de portfólio com Anna Bella Geiger
Dia 12 agosto, das 9h30 às 17h30
Espaço Multiuso – Sesc Palladium (Avenida Augusto de Lima, 420, Centro)
Inscrições prévias

Encontro com professores e educadores
Com os arte-educadores Alison Rosa Loureiro e Fabíola Rodrigues
Dia 19 agosto, das 14h às 18h
Mezanino – Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro,1046, Centro)
Inscrições prévias

Workshop “Quer que eu desenhe? O que é preciso dizer várias vezes”
Com Daniela Seixas
Dia 30 setembro | 10h às 12h | 14h às 16h | 18h às 20h
Foyer – Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro)

 Instalação “Me Molde”
Com Martinho Patrício
De 8 de agosto a 17 de setembro. De terça a domingo, das 9h às 21h
Foyer – Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro)

* Todas as atividades são gratuitas

Último dia de visitação de NERVO ÓPTICO: 40 ANOS

No último dia 22 de julho, a Sala dos Pomares recebeu o público para o encerramento da mostra que estava em cartaz desde abril.

Nervo Óptico: 40 anos, projeto iniciado em 2016, com a exposição homônima no Centro Cultural São Paulo, teve uma ampla repercussão pública também na Sala dos Pomares, espaço expositivo da FVCB, em Viamão.

Para encerrar a exibição da mostra, no último sábado (22 de julho) a Fundação Vera Chaves Barcellos recebeu um público entusiasmado com as proposições artísticas dos artistas Carlos Asp, Carlos Pasquetti, Clóvis Dariano, Jesus Escobar, Telmo Lanes, Romanita Disconzi e Vera Chaves Barcellos.

Como em outras ocasiões, a FVCB disponibilizou transporte gratuito com saída do centro de Porto Alegre, contribuindo com a democratização do acesso à arte contemporânea. Conjugada a uma estimulante agenda de atividades, Nervo Óptico: 40 anos difundiu o debate em torno da produção do grupo de artistas, alinhando conteúdos históricos e teóricos a mais recentes demandas contemporâneas. Em parceria com a Flow Films, a Fundação Vera Chaves Barcellos está organizando um documentário sobre o projeto.

 

Material Educativo | Nervo Óptico: 40 anos

Está disponível aqui no site da FVCB o material educativo realizado a partir da exposição Nervo Óptico: 40 anos.

 

Constituído por propostas de atividades, mini-biografia dos artistas e um glossário, o material tem uma abordagem transdisciplinar de uma seleção de obras que integraram a exposição Nervo Óptico: 40 anos, apresentando ainda indicações de filmes e livros com temáticas correlatas.

As obras selecionadas pelo Programa Educativo foram reunidas em um folder, que serve para que o educador apresente as imagens aos alunos.

Este e outros materiais educativos estão disponíveis, de forma permanente e gratuita, no site da FVCB:
[+] http://fvcb.com.br/?page_id=4369

Programação Paralela à NERVO ÓPTICO: 40 ANOS

Mostra celebrativa das 4 décadas do Nervo Óptico, finalizada no último dia 22 de julho, teve uma instigante programação paralela que mobilizou as duas sedes da Fundação Vera Chaves Barcellos.

Em exibição na Sala dos Pomares desde abril, após uma temporada no Centro Cultural São Paulo (novembro de 2016 a março de 2017), a exposição Nervo Óptico: 40 anos teve grande repercussão junto ao público. Em Viamão e em Porto Alegre, em suas sedes e em instituições parceiras, a FVCB realizou uma série de atividades que aproximaram o público das proposições do Nervo Óptico.

Desde a inauguração da mostra, que contou com uma visita mediada com Ana Albani de Carvalho, curadora da exposição, o Programa Educativo da FVCB desenvolveu a 13ª edição do Curso de Formação Continuada em Artes – programação gratuita realizada em conjunto com a Secretaria Municipal de Educação de Viamão, direcionada a educadores com ou sem formação em Artes, e aberto ao público interessado.

Constituída por seis encontros, esta edição do Curso contou com a participação da curadora da mostra, a Profª Drª Ana Albani de Carvalho, e dos artistas Carlos Asp, Clóvis Dariano, Telmo Lanes e Vera Chaves Barcellos – presentes na ocasião do evento realizado em parceria com o SESC – Viamão, no qual foi exibido o documentário Nervo Óptico: Procura-se um Novo Olho, produzido pela Flow Films. O Curso contou também com encontro de orientação para elaboração de projetos, conduzido pela arte-educadora Margarita Kremer, coordenadora do Programa Educativo da FVCB; e uma oficina prática sobre fotografia com a artista e mediadora Ethiene Nachtigal. No último encontro, os presentes receberam o Material Educativo sobre a mostra. O material terá distribuição gratuita entre bibliotecas escolares e entidades culturais. Destacamos ainda que a mostra foi visitada por diversos grupos: artistas, teóricos, agentes do campo das artes visuais e escolares dos níveis fundamental, médio e universitário; e público em geral. Em maio, durante a 15ª Semana de Museus – programação anual promovida pelo IBRAM em território nacional, o público foi convocado a aventurar-se entre os trabalhos do grupo Nervo Óptico, através de visita mediada conduzida por Margarita Kremer, coordenadora do Programa Educativo da FVCB. Em julho, a Fundação Vera Chaves Barcellos teve um estande na Feira Municipal de Ciências, no qual foram distribuídas algumas de nossas publicações.

Visita da Escola  Cecília Meireles, de Gravataí.

Público em visita mediada à Nervo Óptico: 40 anos. Participação da FVCB na 15ª Semana de Museus.

Em seu Centro de Documentação e Pesquisa (CDP), situado na região central de Porto Alegre, foram realizados três encontros com pesquisadores, entre os meses de maio e julho. Com coordenação de Ana Albani de Carvalho, o ciclo intitulado Nervo Óptico e suas conexões | Estudos e Debates teve como proposta adensar o debate sobre a produção contemporânea, oportunizando ao público aproximar-se da prática da pesquisa em artes visuais realizada a partir de registros documentais armazenados em arquivos e Centros de Documentação e Pesquisa. A programação contou com a adesão de artistas, pesquisadores, acadêmicos e público em geral.

Ana Albani de Carvalho, curadora da mostra, inaugurou o ciclo de encontros. Intitulado Nervo Óptico: Outras Histórias, o evento integrou a 15° Semana de Museus.

Claudio Jansen, Lucia Xavier e Ana Albani de Carvalho no encontro Nervo Óptico e a Imagem Fotográfica.

Paulo Silveira e Charlene Cabral no encontro Nervo Óptico: Desdobramentos.

Em parceria com o Santander Cultural, a FVCB realizou entre os dias 06 e 07 de julho o ciclo de palestras Nervo Óptico em Tempo Presente. Com mediação de Ana Albani de Carvalho, curadora da mostra, a programação reuniu a artista e historiadora da arte Maria Helena Bernardes, o curador Marcio Harum (responsável por levar a mostra sobre o grupo para o Centro Cultural São Paulo); e parte do Nervo Óptico, representado pelos artistas Carlos Asp, Clóvis Dariano, Telmo Lanes e Vera Chaves Barcellos. Nervo Óptico em Tempo Presente contou também com a exibição do documentário Nervo Óptico: Procura-se um Novo Olho, da Flow Films.

Maria Helena Bernardes, Ana Albani de Carvalho e Marcio Harum em Nervo Óptico em Tempo Presente. (Foto: Hopi Chapman)

Público presente no primeiro dia do ciclo de palestras. (Foto: Hopi Chapman)

(Nervo Óptico representado pelos artistas Clóvis Dariano, Vera Chaves Barcellos, Carlos Asp e Telmo Lanes. Mediação: Ana Albani de Carvalho. Foto: Hopi Chapman).

Da esquerda para direita: Fernanda Cony, Clóvis Dariano, Ana Albani de Carvalho, Telmo Lanes, Vera Chaves Barcellos e Carlos Asp. Foto: Hopi Chapman.

Em parceria com a Flow Films, a FVCB está produzindo um documentário sobre a mostra Nervo Óptico: 40 anos, abrangendo sua versão no Centro Cultural São Paulo e a da Sala dos Pomares.

Canal do Educador n° 104

Confira os destaques do Canal do Educador n° 104.

 

O último Canal do Educador do semestre 2017/1 destaca o encerramento da mostra Nervo Óptico: 40 anos, com uma retrospectiva das atividades realizadas em paralelo à exibição da mostra.

Integram nosso informativo ainda dicas de leitura, a agenda expositiva da região metropolitana e a participação da artista Vera Chaves Barcellos na mostra Mais do que Araras, que entra em cartaz no Sesc Palladium (Belo Horizonte, Minas Gerais); e na exposição internacional Radical Women: Latin American Art, 1960-1985 (em português: Mulheres radicais: arte latino-americana, 1960 a 1985), no Hammer Museum (Los Angeles. CA, EUA), em setembro.

O Canal do Educador retorna no final de agosto, com novidades sobre nossa próxima exposição. Esta e outras edições do Canal do Educador, encontram-se disponíveis para leitura no site:
[+] http://fvcb.com.br/?page_id=1364

Nervo Óptico e Espaço N.O. são temas de pesquisa acadêmica

O Centro de Documentação e Pesquisa da FVCB recebeu na última quinta (20), a visita das pesquisadoras Alessandra G. Grade e Daniele Niewinski, graduandas em História da Arte, pelo Instituto de Artes da UFRGS.

Alessandra e Daniele pesquisam sobre o grupo Nervo Óptico (1977-1978) e o Espaço N.O. (1979 -1982), movimentos que contaram com a participação da artista Vera Chaves Barcellos, responsável em grande medida pela constituição do acervo documental sobre os grupos.

Salvaguardando vasto material documental, o Centro de Documentação e Pesquisa é aberto a pesquisa pública mediante agendamento prévio pelo e-mail: arquivo@fvcb.com .

Canal do Educador n° 103

Confira os destaques do Canal do Educador n° 103.

Esta edição do Canal traz na capa a obra Saída de Emergência, da artista Romanita Disconzi, que integra a exposição Nervo Óptico: 40 anos.

A artista, assim como Jesus Escobar, foi uma das signatárias do Manifesto, documento apresentado ao público em 1976, na exposição Atividades Continuadas, momento germinal que desdobra-se, posteriormente, na publicação do cartazete Nervo Óptico, entre 1977 e 1978.

Além de uma minibiografia de Romanita, o informativo apresenta indicações de leituras e links para pesquisa on-line. A programação expositiva da região e dicas de curso, também integram o boletim.

Esta e outras edições do Canal do Educador ficam disponíveis no site da FVCB:

[+] http://fvcb.com.br/?page_id=1364

Vera Chaves Barcellos no Sesc Palladium | Belo Horizonte

Em agosto, o Sesc Palladium (Belo Horizonte, Minas Gerais) inaugura mostra Mais do que Araras – exposição comemorativa dos 50 anos da icônica obra Tropicália, de Hélio Oititica. Saiba mais.

A artista Vera Chaves Barcellos participa da mostra Mais do que Araras, que entra em cartaz no Sesc Palladium (BH), no dia 08 de agosto.  A partir da imaginária em torno da instalação Tropicália, montada pela primeira vez no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, na exposição Nova Objetividade Brasileira em 1967, Raphael Fonseca, curador da mostra selecionou trabalhos de artistas contemporâneos brasileiros que, de diferentes pontos do Brasil, produzem obras que problematizam a ideia da tropicalidade desde uma perspectiva não literal. “A reflexão crítica em torno do que seria a identidade brasileira’, uma visualidade anti-tropical e a apreensão do corpo como protagonista e agente necessário para a mudança social são fulcrais a esse projeto. Para tal serão reunidas obras produzidas entre o final da década de 1960 e início de 1980 por artistas que pesquisavam esses tópicos de Norte a Sul do Brasil” - declara Fonseca.

A participação de Vera Chaves Barcellos será com os trabalhos Habitat e Pequena Estória de um Sorriso (1975) - obras que abordam aspectos da realidade brasileira, apresentando a problemática social do País, que de da época de sua produção até agora, pouco se alterou e até mesmo se agravou.

(Excerto Pequena Estória de um Sorriso, de Vera Chaves Barcellos, 1975).

(Excerto Habitat, de Vera Chaves Barcellos, 1975).

Além de Vera, Mais do que Araras conta com obras de  Anna Bella Geiger, Carlos Vergara, Edinízio Ribeiro Primo, Falves Silva, Jomard Muniz de Britto, José Ronaldo Lima, Letícia Parente, Mario Ishikawa, Neide Sá, Raymundo Colares, Regina Silveira, Regina Vater, Torquato Neto, e Daniela Seixas.

EXPOSIÇÃO MAIS DO QUE ARARAS

Abertura: 08 de agosto | 19h
Visitação: 09/08 a 01/10/2017 | Terça a domingo, 9h às 21h.
Galeria de Arte GTO | Sesc Palladium |Rua Rio de Janeiro, 1046
Avenida Augusto de Lima, 420
Centro – Belo Horizonte/MG

Acompanha a exibição da mostra, uma programação paralela com entrada franca.

CONVERSA COM ARTISTAS E CURADOR
Anna Bella Geiger, José Ronaldo Lima e Raphael Fonseca
11 agosto – 19h30
Teatro de bolso
*retirada de ingressos 30min antes

LEITURA DE PORTFÓLIO
Anna Bella Geiger
12 agosto – 9h30 às 17h30
Espaço Multiuso
Inscrições prévias

ENCONTRO COM PROFESSORES E EDUCADORES
19 agosto | 14h às 18h
Mezanino
Inscrições prévias

WORKSHOP
Quer que eu desenhe? O que é preciso dizer várias vezes
Daniela Seixas
30 setembro | 10h às 12h | 14h às 16h | 18h às 20h
Foyer Augusto de Lima e Rio de Janeiro
Inscrições prévias

 

Canal do Educador n° 102

Confira as novidades do Canal do Educador n° 102.

O caráter performático presente em produções do Nervo Óptico é tema do Canal do Educador n° 102.

Através da obra Pictografias I, de 1976,  da artista Mara Alvares, o informativo aborda esta temática.  Além disso, o Canal do Educador reúne textos para pesquisa on line, dicas de cursos e a agenda expositiva das instituições culturais da região metropolitana.

O Canal do Educador é um boletim quinzenal enviado a educadores e interessados em saber mais sobre o universo das Artes Visuais. Para receber nosso informativo, basta enviar e-mail para educativo@fvcb.com.