facebook youtube

Notícias

[ABERTURA ADIADA] Exposição Muntadas / Silveira: Diálogos. Mundo, Arte, Vida.

A Fundação Vera Chaves Barcellos informa que, frente à declaração de pandemia do coronavírus (Covid-19) pela Organização Mundial da Saúde, irá suspender suas atividades temporariamente.

É nosso compromisso garantir a segurança e saúde de nossa equipe e visitantes. Desse modo, a abertura da exposição MUNTADAS / SILVEIRA: DIÁLOGOS. MUNDO, ARTE, VIDA. foi transferida para nova data a ser divulgada em breve. Manteremos à todos informados a respeito de quaisquer novidade. Acompanhe nossas redes sociais.

Obra de Vera Chaves Barcellos é incorporada ao acervo da Fundação Helga de Alvear, em Cáceres, Espanha.

Vera Chaves Barcellos, Memória de Barcelona, 1977.

“Realizada no final de 1977, esta é uma documentação fotográfica das brigas ideológicas nos muros de Barcelona, em uma Catalunha efervescente, recentemente liberada do regime fascista de Franco.”


________

A Fundação Helga de Alvear é considerada uma das mais importantes coleções privadas de Arte Contemporânea da
Europa, contudo, o caráter do acervo é público
“Nascida na Alemanha (Kirn), em 1936, Helga de Alvear vive em Madri, na Espanha, desde 1957. Dez anos depois começa a formar a sua coleção de arte. A partir de 1980, começa a sua atuação na Espanha, onde estimula a produção local e contribui para a criação da feira de arte Arco, em 1982. Já em 2006, cria o Centro de Artes Fundación Helga de Alvear, que contou com a contribuição do poder público da região espanhola de Extremadura. A instituição surge do compromisso de tornar pública a coleção da também galerista Helga de Alvear. Hoje, o acervo da fundação conta com cerca de 3 mil peças de linguagens, materialidades e conformações diversas, que variam, em dimensão física, da escala da mão à da arquitetura. Seus núcleos privilegiam os primórdios da fotografia na Europa, o minimalismo norte-americano e seus desdobramentos desde a década de 1970, a arte contemporânea espanhola, a fotografia alemã dos anos de 1980 e 1990, além de obras de dimensões grandes, especialmente ambientes e instalações de 1990 para cá, e de outras comissionadas pela própria Helga de Alvear.”

Obras de Vera Chaves Barcellos participam de exposição no Museu Nacional de Belas Artes.

A exposição “Pinacoteca Barão de Santo Ângelo visita Museu Nacional de Belas Artes”, que segue em funcionamento, apresenta obras de Vera Chaves Barcellos, juntamente com outros artistas gaúchos.

“Nela, o visitante poderá apreciar oitenta e seis obras sobre papel — desenhos, aquarelas, gravuras e livros de artista — numa linha do tempo que vai do século XIX até a atualidade, contando com peças de artistas nacionais e internacionais da Pinacoteca, uma das instituições culturais gaúchas mais importantes, e ligada à UFRGS.

A curadoria da exposição “Pinacoteca Barão de Santo Ângelo visita Museu Nacional de Belas Artes” é dos professores da UFRGS Blanca Brites e Alfredo Nicolaiewsky, com coordenação do professor Paulo Gomes. O evento é fruto da parceria cultural entre o MNBA/Ibram e a UFRGS e integra as comemorações dos 85 Anos da Universidade, da qual a Pinacoteca faz parte. “

Obras de Vera Chaves Barcellos estão presentes na Feira ARCO Madrid 2020

ARCOmadrid é a Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madri. Uma das principais feiras de arte contemporânea do circuito internacional, realizada anualmente em fevereiro na capital espanhola.

Na imagem:
Vera Chaves Barcellos, Combinável, 1970
Silkscreen, 22 × 22 cm

Centro de Documentação e Pesquisa da FVCB recebe 34 publicações do MUSAC.

A Fundação Vera Chaves Barcellos recebeu 34 publicações do MUSAC, Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y León, na Espanha. As publicações abrangem uma amostragem da produção em arte contemporânea da instituição, dos anos 2000 até os dias atuais.

O Centro de Documentação e Pesquisa da FVCB convida estudantes, pesquisadores, professores e demais interessados em artes visuais para visitar o seu arquivo, e a sua coleção de catálogos e livros sobre arte moderna e contemporânea.

Para saber mais e ter acesso a lista das publicações recebidas, entre em contato com arquivo@fvcb.com.

Obras de Vera Chaves Barcellos são incorporadas ao acervo do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía

O Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía, na Espanha, incorporou ao seu acervo duas obras da artista Vera Chaves Barcellos. “Epidermic scapes”, de 1977, e “Combinável I”, de 1969.

Na imagem:
Vera Chaves Barcellos, Combinável I, 1969.
Gravura, 24 x 22cm

Acompanhe a FVCB pelas redes Sociais.

facebook.com/fvcbarcellos
instagram.com/fvcb__

Encerramento e lançamento do catálogo | Eu estou aqui agora

No dia 14 de dezembro de 2019, a Fundação Vera Chaves
Barcellos promove o encerramento e o lançamento do catálogo da mostra coletiva “Eu estou aqui agora”, com curadoria de Elaine Tedesco e Luisa Kiefer. A exposição reúne mais de 30 trabalhos de artistas brasileiros e estrangeiros, incluindo fotografias, videoarte, instalações, pinturas, desenhos e esculturas.

No dia do evento, o catálogo será vendido pelo valor promocional de R$20,00.

Para o evento de encerramento, a FVCB disponibilizará transporte
gratuito, com saída às 14h, em frente ao Theatro São Pedro.
Inscrições e informações pelo info@fvcb.com ou no (51) 9 8102-
1059 e (51) 3228-1445

SOBRE A EXPOSIÇÃO

A exposição Eu estou aqui agora, como seu título pontua, aborda a presença e o tempo presente. A mostra tem como ponto de partida a performance Momento Vital, de Vera Chaves Barcellos, na qual a artista repete, e reitera, inúmeras vezes que “eu estou aqui presente agora”. A ação de centramento na leitura, que se autorreferencia em seu fazer, ecoa na pesquisa curatorial servindo de elo para pensar as diferentes relações entre as obras que integram o acervo da Fundação Vera Chaves Barcellos e outras produções escolhidas especialmente para esta ocasião.
A afirmação da artista ressoa logo na entrada do espaço expositivo e se refaz, novamente, ao longo das obras. Como um mantra repetido em voz baixa, uma espécie de meditação. A performatividade, o deslocamento de objetos de uso doméstico, as intervenções, os convites à participação, permeados por posicionamentos críticos em relação ao contexto social, com ironia, nonsense e irreverência são táticas elencadas pelos artistas em seus processos de trabalho que estruturam-se substancialmente nas obras apresentadas ao longo da exposição. Há nessa escolha o desejo de provocar a reflexão a partir de uma crítica sutil, de testar o olhar e o pensamento a partir de relações e de pontuações sensíveis, bem humoradas, porém densas. As obras, de diferentes tempos, estão aqui, agora. Algumas, feitas há anos, são tão urgentes quanto quando foram criadas. Outras, mais recentes, também não deixam de estar ligadas ao passado. E há ainda outras, nas quais esse agora, sem tempo, pulsa. Para onde mais vamos com esse aqui agora?

SOBRE OS ARTISTAS

A exposição conta com obras do acervo da FVCB e de artistas convidados especialmente para a mostra. Entre eles estão o grupo 3NÓS3, Alexandre Copês, Antoni Muntadas, Camila Leichter, Dione Veiga Vieira, Domènec, Fernanda Gassen, Glaucis de Morais, Heloísa Schneiders da Silva, Lenora de Barros, Lia Menna Barreto, Marilá Dardot, Mario Ramiro, Marlies Ritter, Marina Camargo, Milton Kurtz, Patrícia Francisco, Patricio Farías, Regina
Vater, Samy Sfoggia e Vera Chaves Barcellos.

SOBRE AS CURADORAS

Elaine Tedesco, Porto Alegre, RS, 1963

Artista plástica com produção em fotografia, instalação e videoperformance. É professora ligada aos cursos de graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando na área de fotografia e vídeo. Participou de diversas exposições coletivas, sendo as mais recentes: Apropriações, Variações e Neopalimpsestos, na FVCB, em Viamão/RS, em 2018. Em 2016, participou da Ocupação Coaty, em Salvador, Bahia, Das Meer/ The Sea e Medienwerkstatt zur Berliner Liste 2016, em Berlim, Alemanha. Possui obras em coleções públicas: MARGS | RS, MAC | RS, MAC | Paraná, MAM | Bahia, Museu de Arte de Brasília, Museo de Arte Latino Americano de Buenos Aires (MALBA), Casa das 11 Janelas e FVCB. Esteve presente na segunda e na quinta Bienal do Mercosul (1999 e 2005 respectivamente), realizada em Porto Alegre, RS. Em 2007, esteve presente na 52a. Esposizione Internazionale d’Arte, La Biennale di Venezia, curadoria Robert Storr, Veneza, Itália.

Luísa Kiefer, Porto Alegre, RS, 1986

É doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pelo Programa de Pós- Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS. Realizou estágio doutoral no departamento de fotografia da School of Media, Arts and Design da University of Westminster, Londres, Inglaterra. É Mestre em História, Teoria e Crítica de Arte pelo mesmo programa e jornalista formada pela PUCRS. Desde 2013, atua como curadora independente, tendo realizado exposições em diversos espaços de arte de Porto alegre, como
Fundação Ecarta, Galeria Gestual, Espaço Cultural ESPM, Galeria Mamute, Sala Branca da Galeria Alice Floriano e Instituto Ling. Coordena o Atelier das Pedras, espaço que abriga o acervo da artista Gisela Waetge. Atualmente, é coordenadora e curadora do Linha (Espaço cultural independente). Vive e trabalha em Porto Alegre.

Segunda Atividade paralela à exposição “Eu estou aqui agora”.

Ontem, quarta-feira 16 de outubro, aconteceu no auditório do MARGS a segunda atividade paralela à exposição “Eu estou aqui agora”.

Os artistas convidados, Alexandre Copês e Glaucis de Morais, falaram sobre os seus trabalhos que compõem a mostra.
Agradecemos o MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul por mais está parceria, e ao publico que compareceu ao evento.

“Eu estou aqui agora” fica em exibição na Sala dos Pomares até o dia 14 de dezembro. Não deixe de visitar!

Lançamento de “Diário de uma Boneca”, de Lia Menna Barreto.

No dia 05 de novembro tivemos o lançamento do livro “Diário de uma Boneca”, de Lia Menna Barreto, na 65ª Feira do Livro de Porto Alegre.

A série “Diário de uma Boneca” é apresentada ao público em uma publicação fartamente ilustrada e bilíngue, e que resulta da recente doação da artista à coleção “Artistas Contemporâneos” da Fundação Vera Chaves Barcellos. A obra composta por mais de 400 peças, é processo de mais de um ano de trabalho de Lia.

Escrevem sobre esta produção os pesquisadores Constança Pondé, Jorge Menna Barreto, Maria Ivone dos Santos e Neiva Fonseca Bohns.

Em conversa com o público, e na presença do fotógrafo do projeto, Leopoldo Plentz, Lia falou sobre a série, desde sua concepção até a organização do projeto em livro, no auditório do MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul.

O livro está à venda no estande da Editora Libretos (Banca 19 na Rua da Praia), pelo valor promocional de R$90.