facebook youtube

Notícias

Lançamento do livro “Diário de uma Boneca”, de Lia Menna Barreto

A Fundação Vera Chaves Barcellos e a Editora Libretos realizam o lançamento de uma publicação fartamente ilustrada e bilíngue, que apresenta ao público a série “Diário de uma Boneca”, da artista Lia Menna Barreto. Escrevem sobre esta produção os pesquisadores Constança Pondé, Jorge Menna Barreto, Maria Ivone dos Santos e Neiva Fonseca Bohns.
A publicação é resultado da recente doação da artista à coleção “Artistas Contemporâneos” da Fundação Vera Chaves Barcellos. A obra, que leva mesmo título, é composta por mais de 400 peças, consequência de um processo de mais de um ano de trabalho de Lia.

O livro estará à venda no dia do lançamento, e durante a Feira do Livro, pelo valor promocional de R$90, no estande da Editora Libretos e no local do evento.

Sobre a artista:

Lia Mascarenhas Menna Barreto (Rio de Janeiro, 1959) é bacharel em Desenho pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (1985). No mesmo ano, realizou sua primeira exposição individual no MARGS, em Porto Alegre. Em 1988, participou do 10º Salão Nacional de Artes Plásticas, na Fundação Nacional de Arte – Funarte, no Rio de Janeiro, no qual foi contemplada com o Prêmio Aquisição. Entre 1993 e 1994, viveu em São Francisco, nos Estados Unidos, e estudou na Stanford University, com bolsa concedida pelo programa International Fellowship in the Visual Arts, da American Arts Alliance. Em 1997, expôs trabalhos na 6ª Bienal de Havana, na Bienal de Los Angeles e na 1ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, em Porto Alegre, da qual volta a participar, em 2003, em sua 4ª edição. Atualmente, vive e trabalha em Eldorado do Sul – RS

__________
Ficha técnica

Realização
Fundação Vera Chaves Barcellos

Co-edição
Editora Libretos

Coordenação do projeto
Thaís Franco

Consultoria artística
Leopoldo Plentz, Lia Menna Barreto
e Vera Chaves Barcellos

Design e edição de imagem
Raquel Castedo

Fotografia e tratamento de imagem
Leopoldo Plentz

Textos
Constança Pondé, Jorge Menna Barreto,
Maria Ivone dos Santos e Neiva Bohns

Revisão
Laís Webber

Tradução | espanhol
Paula Salem Carpio

Tradução | inglês
Carolina Paz

Impressão
Gráfica Impresul

Atividade paralela à exposição “Eu estou aqui agora”.

Na última quarta-feira, 16 de outubro, aconteceu no auditório do MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul a atividade paralela à exposição “Eu estou aqui agora”.
Elaine Tedesco e Luisa Kiefer trouxeram apontamentos sobre o processo de curadoria, e as artistas convidadas, Camila Leichter e Fernanda Gassen, falaram sobre os trabalhos que compõem a mostra.

Obra de Vera Chaves Barcellos Compõe mostra na 14° Bienal de Curitiba

Inaugura hoje no Museu da Gravura Cidade de Curitiba, a 14ª Bienal de Arte Contemporânea. Entre as obras selecionadas para a exposição, Vera Chaves Barcellos apresenta um de seus trabalhos desenvolvidos no Ateliê de Gravura da Fundação Iberê Camargo.

Vera Chaves Barcellos, sem título, 2005
água-tinta (processo serigráfico) sobre papel
105 x 24 cm
col. Ateliê de Gravura
Fundação Iberê Camargo, Porto Alegre

SERVIÇO:
Ingresso: gratuito
Data(s): 24/09/2019 a 23/02/2020 – 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feira, sábado e domingo
Horário(s): ~ 12h / 13h ~ 18h (TER A SEX) | 12h ~ 18h (SÁB, DOM E FERIADOS)
Classificação: livre
Espaço Cultural:Museu da Gravura Cidade de Curitiba

Obra de Patricio Farías, parte da Coleção Artistas Contemporâneos da FVCB, Participa da 14° Bienal de Curitiba.

O Museu Municipal de Arte (MuMA) recebe hoje, dia 10 de outubro , às 17h, três exposições que integram a programação da 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba. Com curadoria de Adolfo Montejo Navas, “Nômades e Fronteiriços” estará em exibição na Sala Célia Lazarotto. A mostra faz alusão à uma dupla realidade de artistas de outros lugares e culturas, mas adaptados ao Brasil de alguma forma, sendo expoentes de uma dupla vida artística. Entre os artistas convidados para compor a mostra está o artista Patricio Farías, que apresenta sua série “Equipamentos”, obras que fazem parte da coleção Artistas Contemporâneos da FVCB.

Serviço:
14ª Bienal de Curitiba no MuMA
Abertura: 10 de outubro de 2019, 17h
Período expositivo: de 11 de outubro de 2019 até 01 de março de 2020
Endereço: Av.Repúlica Argentina, 3430, Portão, Curitiba – PR.
Entrada gratuita.


Patricio Farías, Série Equipamentos, 2005.

Obra de Vera Chaves Barcellos integra exposição no MOM (Museu Oscar Niemayer), em Curitiba.

O Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR) inaugura nesta quarta-feira (9), às 19 horas, a exposição “Pequenos gestos, memórias disruptivas”, resultado de intensa pesquisa feita pela curadora Fabrícia Jordão no rico e diverso acervo da instituição, que hoje reúne em torno de 1,8 mil obras.

SERVIÇO: Abertura Exposição Pequenos gestos: memórias disruptivas
Data: 9 de outubro(quarta-feira).
Horário: 19 horas.
Em cartaz até 16 de fevereiro.
Local: Museu de Arte Contemporânea do Paraná – Rua Marechal Hermes, 999 – salas 8 e 9. Temporariamente, por causa da reforma em sua sede, o MAC-PR está funcionando nas dependências do Museu Oscar Niemeyer.

Visitação de terça a domingo, das 10h às 18h. Entrada gratuita na abertura e toda quarta-feira. Nos demais dias R$20 e R$10 (meia-entrada).


Vera Chaves Barcellos, Ciclos, 1974.
Serigrafia.

Lançamento do material educativo de “Eu estou aqui agora”

O material educativo da exposição “Eu estou aqui agora” foi distribuído no último sábado, 28 de setembro, aos professores da rede pública do município de Viamão para a utilização em sala de aula.

O conteúdo do material foi desenvolvido por Marga Kremer e Yuri Flores Machado e o projeto gráfico é de Lu Rabello. O material é composto por seis lâminas com texto crítico e propostas educativas.

Vera Chaves Barcellos apresenta “Inéditos e Reciclados” na Galeria Bolsa de Arte, em São Paulo

Mostra percorre 40 anos de pesquisa fotográfica na produção da artista.

A galeria Bolsa de Arte apresenta “Inéditos e Reciclados”, uma exposição antológica sobre a investigação fotográfica na produção da artista Vera Chaves Barcellos. A mostra, que inaugura em 21 de setembro, ao meio dia, reúne seis grupos de trabalhos, exemplos da produção mais recente da artista, assim como trabalhos anteriores das décadas 1970 e 1980, revistos e apresentados de forma distinta.

Serviço:

Exposição: Vera Chaves Barcellos | Inéditos e Reciclados
Abertura: 21 de setembro, às 12h
Período expositivo: de 21/09 a 26/10/2019
Endereço: Galeria Bolsa de Arte
Rua Mourato Coelho, 790, Vila Madalena, São Paulo
Tel. (11) 3812-7137. Segundas às sextas, 10h00 – 19h00; sábados 11h00 – 16h00

Registro da abertura “Eu estou aqui agora”

No último sábado, 31 de agosto, inauguramos a exposição Eu estou aqui agora,na Sala dos Pomares. Mesmo com o dia chuvoso, recebemos um numeroso público para prestigiar a mostra, que tem curadoria de Elaine Tedesco e Luísa Kieffer, e reúne mais de 30 trabalhos de artistas brasileiros e estrangeiros.

A mostra segue aberta para visitação até o dia 14 de dezembro.

Visitas guiadas podem ser agendadas previamente por e-mail ou por telefone: educativo@fvcb.com (51) 98229 3031.

Obras do acervo da FVCB na exposição “Lento Crepúsculo”

Obras do acervo artístico da Fundação Vera Chaves Barcellos estão participando da exposição coletiva “Lento Crepúsculo” na Pinacoteca Rubem Berta. A mostra faz parte da programação do 5° Festival Kino Beat e tem curadoria de Chico Soll, Fernanda Medeiros e Gabriel Cevallos.

A exposição conta com duas obras pertencentes ao acervo artístico da Fundação Vera Chaves Barcellos: “Cantando na chuva”, 2014, de Berna Reale e “Arte à mão armada”, 2015 de Carmela Gross.

_______________
Mais informações:

Utilizando como ponto de partida o conceito de abundância, a exposição coletiva apresenta obras que abordam a dimensão do termo e que exploram os seus possíveis transbordamentos: de informações, de discursos, de crises, de sentimentos, e até mesmo o reflexo disso no meio-ambiente.

A exposição “Lento Crepúsculo” ocorre em dois espaços simultaneamente: Pinacoteca Ruben Berta (abertura dia 04 de dezembro) e Paço Municipal (abertura dia 06 de dezembro). O encerramento da exposição, nos dois lugares, ocorrerá no dia 13 de janeiro.

Na imagem: “Cantando na chuva”, 2014, de Berna Reale.

Patricio Farías na Fundação Iberê Camargo até o dia 06 de janeiro de 2019

Registros da abertura da instalação “HNWI” do artista Patricio Farías na Fundação Iberê Camargo que ocorreu no sábado (dia 27 de outubro). No mesmo dia, o artista lançou o livro “Patricio Farías” organizado pelo poeta e crítico Adolfo Montejo Navas e editado pela Iluminuras. 

Para o curador, a instalação de Patricio Farias “joga com as desequivalências ocultas, subliminares, com as dimensões do conteúdo ao que alude, respirando sua pertinência como obra política, sendo porém uma peça metalinguística e metacultural”. E finaliza: “Como ferida, ela é um totem artístico que, todavia, responde a um tabu sociocultural”.

Sobre o livro “Patricio Farías”:
O livro recapitula a trajetória do artista chileno Patricio Farías. Organizado pelo poeta e crítico espanhol Adolfo Montejo Navas, a publicação editada pela Iluminuras tem 368 páginas e capa dura, ricamente ilustrada com imagens e textos críticos sobre sua produção. O projeto gráfico é da designer Raquel Castedo | Roka Estúdio. Os primeiros 30 participantes da sessão de autógrafos receberão o livro como cortesia.

_____________________________

Patricio Farías é escultor e artista multimídia chileno, radicado no Brasil. Frequentou cursos de Desenho na Escuela de Bellas Artes de la Universidad de Chile entre 1964 e 1968, onde licenciou-se em Artes Plásticas em 1972, e foi professor de Desenho e Expressão Gráfica entre 1969 e 1975. Mudou-se para Porto Alegre/RS, Brasil, em 1983, onde lecionou Desenho e Serigrafia no Atelier Livre da Prefeitura Municipal de Porto Alegre e no Museu de Arte do Rio Grande do Sul. A partir de 1970 até o presente realiza inúmeras exposições no Chile, Brasil, Alemanha e Espanha. Entre 1989 e 1996 pertenceu ao corpo de artistas da Galeria Artual. A partir de 1985, desenvolve farta obra escultórica, também realizando incursões na área de vídeo e fotografia e na utilização de imagens apropriadas. Divide seu tempo entre seus estúdios em Viamão, Brasil e Barcelona, Espanha.

Adolfo Montejo Navas é poeta, crítico e curador independente. Colabora com diversos veículos culturais, é correspondente da revista de arte internacional Lápiz, de Madri, desde o fim dos anos 1990, e foi editor da revista DASartes. Coordena a Limiar edições extraordinárias, uma editora de autor. Suas curadorias mais recentes foram FotografiaTransversa (Fundação Vera Chaves Barcellos, 2014), Ana Vitória Mussi – Imagética (com Marisa Flórido César, Paço Imperial, 2015) e Fotoimagens (Casa da Imagem, 2016). Recebeu diversas bolsas de tradução, o Prêmio Mário Pedrosa de Ensaio de Arte e Cultura Contemporânea, em 2009, e o XV Prêmio Marc Ferrez de Fotografia (categoria Teoria e Crítica) em 2015. Em 2016 foi honrado com o título de Notório Saber em Artes pela UFRGS. Como artista visual tem realizado diversas exposições, sempre na fronteira da palavra-imagem-livro-objeto, entre elas, a individual Moto contínuo (Projeto Degraus, Escritório de Arte Ypsilone, sp, 2016).
____________
A instalação “HNWI” pode ser conferida até o dia 06 de janeiro de 2019 na Fundação Iberê Camargo!