facebook youtube

Agenda

Vera chaves Barcellos conversa com Patrícia Wagner, curadora do projeto M.A.P.A

Às 18h de hoje, a artista Vera Chaves Barcellos é convidada a participar de uma conversa com a curadora do projeto M.A.P.A, Patrícia Wagner.
A Transmissão ocorrerá ao vivo pelo Instagram https://www.instagram.com/p/CE7u2MdnFAR/ (@vivaprojects).

Rede Virtual de Ensino de Arte

No período de distanciamento social, a FVCB inicia o projeto
 Rede Virtual de Ensino de Arte.

Rintaro Iwata, With Model #2, da série Black Object, 1999/2002.
Fotografia em impressão jato de tinta e escultura de resina.
Coleção Artistas Contemporâneos | Fundação Vera Chaves Barcellos.

Regina Vater, da série Camas around the world, 1974/1975.

Coleção Artistas Contemporâneos, Fundação Vera Chaves Barcellos.

 

Com o intuito de lançar questões que circundam esta nova realidade que estamos vivendo no nosso cotidiano, elaboramos um material de apoio para educadores, das mais diversas áreas. A partir do olhar de nossa equipe, indicaremos semanalmente uma obra presente no Acervo da Fundação, juntamente com uma proposta de atividade a ser pensada e realizada em conjunto com seus estudantes à distância. Convidamos vocês, educadores, a construírem conosco novas propostas de atividades e a compartilharem os registros destas através das hashtags #EducativoFVCB e #FVCBemRede.
_______
Faça o Download do arquivo com as propostas de atividades que o Educativo da FVCB preparou para todos os públicos:

VIEWING ROOM SP–ARTE 2020

Para o Viewing Room da SP–Arte 2020, a Galeria Superfície apresenta um projeto solo da artista Vera Chaves Barcellos, em um recorte panorâmico que inclui obras concebidas entre o período de 1974 a 1996.

Com mais de 50 anos de carreira e uma fundação em Porto Alegre que leva seu nome, Vera Chaves Barcellos faz parte da geração de artistas pioneiros da arte conceitual brasileira dos anos 70, tendo participado das históricas exposições do célebre curador e historiador Walter Zanini (1925–2013) no Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), assim como da representação do Brasil na Bienal de Veneza de 1976 com a obra ‘Testarte’ — que se encontra disponível nesta seleção. O presente recorte curatorial permite que o espectador possa verificar a diversidade de linguagens experimentais e poéticas que a artista desenvolveu ao longo de sua trajetória, utilizando-se dos novos meios de cada época: como o vídeo, a fotografia, a arte-correio e os livros de artistas.

É possivel acessar a exposição Virtual no site www.sp-arte.com e a mostra de Vera Chaves Barcellos em https://www.sp-arte.com/viewing-room/projetos/vera-chaves-barcellos-110/

 

“O Estranho Desaparecimento de VCB”, 1976
Fotografia

A artista Vera Chaves Barcellos

(1938— PORTO ALEGRE, BRASIL)

Vera Chaves Barcellos realiza sua obra gráfica nos anos 1960, após frequentar o Instituto de Belas Artes de Porto Alegre, e concluir os estudos na Inglaterra, Holanda e França. Em 1975, como bolsista do British Council, estuda técnicas gráficas e fotografia no Croydon College, Londres. Em 1976, participa da Bienal de Veneza. Em 2005, instituiu a Fundação Vera Chaves Barcellos, dedicada à arte contemporânea. Entre suas mostras individuais estão: ‘Dones de la Vida’ (1992), Galeria Artual, Barcelona; ‘Visitant Genet’ (2000), Museu D’Art de Girona; ‘O Grão da Imagem’ (2007), Santander Cultural, Porto Alegre; ‘Imagens em Migração’ (2009), MASP, São Paulo; e ‘V.C.B, fotografias, manipulações e apropriações’ (2017), Paço Imperial, Rio de Janeiro. A artista participou de históricas exposições realizadas no MAC, São Paulo, organizadas por Walter Zanini nas década de 1960/70, quatro Bienais de São Paulo, e de mostras coletivas na América Latina, Alemanha, Bélgica, Coreia, Espanha, França, Holanda, Inglaterra e Japão. Integra a mostra ‘Radical Women: Latin American Art 1960–1985’, em 2017 no Hammer Museum, LA, e em 2018 no Brooklyn Museum, em Nova York, e na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Trabalha em Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil e em Barcelona, Espanha, desde 1986.

Acesse a Bienal12 online. Vera Chaves Barcellos está entre as artistas convidadas.


Na imagem em destaque, frame de:

Vera chaves Barcellos, As Mulheres do Mundo, 1999-2010
Vídeo, 19’17″

Vera Chaves Barcellos está juntamente com outras artistas compondo a Bienal do Mercosul, e apresenta a obra “ As Mulheres do Mundo”.

“Em Mulheres do mundo, diversas mulheres, frente a câmera, pronunciam seus nomes. Ao mesmo tempo em que se registram estes rostos que se nomeiam, numa roda evidente de empoderamento, se oferece um arquivo de afeto particular que cada uma delas comunica: confiança, otimismo, pessimismo. Trata-se de um projeto que Vera iniciou em 1999, numa exposição que fez na Catalunha, e finalizou entre 2012-2013, realizando o registro de gravações num processo que contou com a colaboração do vídeo maker Hopi Chapman. A versão que se apresenta na Bienal 12 reúne a voz de quatrocentas mulheres de diferentes partes do mundo, de variadas idades, nacionalidades e raças que, de forma sucessiva, pronunciam, uma vez, seu nome.”

A Bienal12 está online pela plataforma da instituição. No site você pode encontrar textos, exercícios, vídeos e imagens de obras e a lista completa das artistas que compõem a mostra.

http://www.fundacaobienal.art.br

Material educativo para download | MUNTADAS/SILVEIRA. Diálogos. Mundo, Arte, Vida.

Disponibilizamos aos professores, estudantes e ao nosso público em geral, o material educativo da exposição MUNTADAS/SILVEIRA. Diálogos. MUNDO, ARTE, VIDA, tendo como objetivo compartilhar nossas experiências em Arte-educação com todos e todas em suas residências e, em um futuro próximo, presencialmente, na Sala dos Pomares.


Regina Silveira, Mea culpa, 2007

Download PDF:
Material educativo | Muntadas / Silveira. Diálogos. Mundo, Arte, Vida

Nos acompanhe nas redes sociais e tenha acesso a mais conteúdos.
facebook.com/fvcbarcellos
instagram.com/fvcb__
https://www.youtube.com/c/fvcbrs

Visite online a Exposição MUNTADAS/SILVEIRA. Diálogos. Mundo, Arte, Vida. atualmente na Sala dos Pomares da Fundação Vera Chaves Barcellos

Devido ao Decreto nº 55.154, de 1º de abril de 2020, que reitera a declaração de estado de calamidade pública em todo o território do Estado do Rio Grande do Sul para fins de prevenção e de enfrentamento à epidemia causada pelo COVID-19 (novo Coronavírus), a Fundação Vera Chaves Barcellos, também preocupada com seu público, informa que permanecerá com suas instalações fechadas à visitação por período ainda indeterminado.

Nosso espaço físico estará fechado, mas você pode nos acompanhar nas redes sociais: Instagram (@fvcb__) e facebook.com/fvcbarcellos.

______

A exposição Muntadas / Silveira: Diálogos. Mundo, Arte, Vida, programada para inaugurar no dia 21 de março de 2020, pode ser vista montada na Sala dos Pomares, em formato PDF.

A mostra, com curadoria de Pablo Santa Olalla, reúne mais de 40 trabalhos dos artistas Regina Silveira e Antoni Muntadas e teve o apoio da Bolsa de Arte de Porto Alegre, e do Instituto Cervantes.

As trajetórias de Regina Silveira e de Antoni Muntadas, embora diversas, têm pontos comuns significativos, como o movimento constante, a experimentação e o olhar sempre à frente. Há muitos anos que conversam, mas esta é a primeira exposição conjunta dos dois artistas. Nela abre-se um diálogo entre seus trabalhos, articulado em torno de três conceitos gerais. Os espaços públicos e privados, a sociedade, a política e a comunicação organizam o mundo, e, portanto, faz-se necessário analisá-los. Na arte, o desvio dos referentes abre espaço para um discurso questionador, dando preferência às metodologias projetuais em vez de aos modos de fazer tradicionais. Para dar lugar à vida, o devaneio e a abstração da história têm de ser distraídos, fazendo da mordacidade um posicionamento estável frente ao futuro. Na proposta de conversa artística entre Muntadas e Silveira desta exposição, seja em sintonia ou por meios diferentes, esses conceitos abrem-se a novos estratos de significação, que não só partem de um olhar crítico e irônico, mas também o exigem àquele que os queira iluminar.

Aqui você encontrará conteúdo exclusivo, com imagens das obras e textos preparados para a exposição.

Imagens da exposição

https://drive.google.com/file/d/1zMqm6bvjHCuaxO5iFGc1snUljTxcykrR/view?usp=sharing

Mais informações sobre a exposição

https://drive.google.com/file/d/183rjVG7JuxBl8xVnjENIHxBLkdnL_PgY/view?usp=sharing


Obra da Coleção Artistas Contemporâneos, da FVCB, está em exposição na JOSÉ DE LA MANO GALERÍA DE ARTE, em Madrid, na Espanha.

“Insularidades”, com curadoria de Iñaki Estella, permanece em exposição De 13 de fevereiro a 29 de março de 2020.

Mais informações em http://www.josedelamano.com/


Na imagem:

Julio Plaza, Sem titulo, 1966-67.
Escultura, Ferro Pintado, Circa.

Ni orden ni pulcritud. Libros y revistas de los años ochenta, Segue em cartaz no MUSAC

A exposição que traz obras documentais sobre o Espaço N.O, doadas pela FVCB ao MUSAC (Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y León), segue aberto à visitação até o dia 14 de junho de 2020.

Ni orden ni pulcritud. Libros y revistas de los años ochenta
PROYECTO VITRINAS
25 de enero, 2020 – 14 de junio, 2020

Comisariado: Mela Dávila Freire
Coordinación: Ana Madrid

ABERTURA – “Eu estou aqui agora”

No dia 31 de agosto de 2019, a Fundação Vera Chaves Barcellos inaugura a mostra coletiva Eu estou aqui agora, com curadoria de Elaine Tedesco e Luísa Kiefer. A exposição reúne mais de 30 trabalhos de artistas brasileiros e estrangeiros, incluindo fotografias, videoarte, instalações, pinturas, desenhos e esculturas.

A exposição Eu estou aqui agora, como seu título pontua, aborda a presença e o tempo presente. A mostra tem como ponto de partida a performance Momento Vital, de Vera Chaves Barcellos, na qual a artista repete, e reitera, inúmeras vezes que “eu estou aqui presente agora”. A
ação de centramento na leitura, que se autorreferencia em seu fazer, ecoa na pesquisa curatorial servindo de elo para pensar as diferentes relações entre as obras que integram o acervo da Fundação Vera Chaves Barcellos e outras produções escolhidas especialmente para esta ocasião. A afirmação da artista ressoa logo na entrada do espaço expositivo e se refaz, novamente, ao longo das obras. Como um mantra repetido em voz baixa, uma espécie de meditação. A performatividade, o deslocamento de objetos de uso doméstico, as intervenções, os convites à participação, permeados por posicionamentos críticos em relação ao contexto social, com ironia, nonsense e irreverência são táticas elencadas pelos artistas em seus processos de trabalho que estruturam-se substancialmente nas obras apresentadas ao longo da exposição. Há nessa escolha o desejo de provocar a reflexão a partir de uma crítica sutil, de testar o olhar e o pensamento a partir de relações e de pontuações sensíveis, bem humoradas, porém densas. As obras, de diferentes tempos, estão aqui, agora. Algumas, feitas há anos, são tão urgentes quanto quando foram criadas. Outras, mais recentes, também não deixam de estar ligadas ao passado. E há ainda outras, nas quais esse agora, sem tempo, pulsa. Para onde mais vamos com esse aqui agora?

SOBRE OS ARTISTAS

A exposição conta com obras do acervo da FVCB e de artistas convidados especialmente para a mostra. Entre eles estão o grupo 3NÓS3, Alexandre Copês, Antoni Muntadas, Camila Leichter, Dione Veiga Vieira, Domènec, Fernanda Gassen, Glaucis de Morais, Heloísa Schneiders da Silva, Lenora de Barros, Lia Menna Barreto, Marilá Dardot, Mario Ramiro, Marlies Ritter, Marina Camargo, Milton Kurtz, Patrícia Francisco, Patricio Farías, Regina Vater, Samy Sfoggia e Vera Chaves Barcellos.

SOBRE AS CURADORAS

Elaine Tedesco, Porto Alegre, RS, 1963
Artista plástica com produção em fotografia, instalação e videoperformance. É professora ligada aos cursos de graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando na área de fotografia e vídeo. Participou de diversas exposições coletivas, sendo as mais recentes: Apropriações, Variações e Neopalimpsestos, na FVCB, em Viamão/RS, em 2018. Em 2016, participou da Ocupação Coaty, em Salvador, Bahia, Das Meer/ The Sea e Medienwerkstatt zur Berliner Liste 2016, em Berlim, Alemanha. Possui obras em coleções públicas: MARGS | RS, MAC | RS, MAC | Paraná, MAM | Bahia, Museu de Arte de Brasília, Museo de Arte Latino Americano de Buenos Aires (MALBA), Casa das 11 Janelas e FVCB. Esteve presente na segunda e na quinta Bienal do Mercosul (1999 e 2005 respectivamente), realizada em Porto Alegre, RS. Em 2007, esteve presente na 52a. Esposizione Internazionale d’Arte, La Biennale di Venezia, curadoria Robert Storr, Veneza, Itália.

Luísa Kiefer, Porto Alegre, RS, 1986

É doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pelo Programa de Pós- Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS. Realizou estágio doutoral no departamento de fotografia da School of Media, Arts and Design da University of Westminster, Londres, Inglaterra. É Mestre em História, Teoria e Crítica de Arte pelo mesmo programa e jornalista formada pela PUCRS. Desde 2013, atua como curadora independente, tendo realizado exposições em diversos espaços de arte de Porto alegre, como Fundação Ecarta, Galeria Gestual, Espaço Cultural ESPM, Galeria Mamute, Sala Branca da Galeria Alice Floriano e Instituto Ling. Coordena o Atelier das Pedras, espaço que abriga o acervo da artista Gisela Waetge. Atualmente, é coordenadora e curadora do Linha (Espaço cultural independente). Vive e trabalha em Porto Alegre.

Claudio Goulart | Quando o horizonte é tão vasto

A Fundação Vera Chaves Barcellos exibe a mostra individual Claudio Goulart | Quando o horizonte é tão vasto, com curadoria de Fernanda Soares da Rosa. A exposição reúne mais de 60 trabalhos do artista brasileiro, incluindo fotografias, videoarte, instalações, livros de artista, arte postal, colagens, registros de intervenção urbana, de exposições e de projetos em vídeo.

Parte desses trabalhos foram desenvolvidos para projetos maiores que Goulart exibiu em diversos países. As obras foram recentemente incorporados ao acervo artístico da FVCB através da doação realizada pela Fundação Art Zone — instituição holandesa criada ainda em vida por Goulart.